Secretário de Finanças presta contas de gastos públicos do segundo quadrimestre

por Assessoria última modificação 17/10/2018 15h22
Secretário de Finanças presta contas de gastos públicos do segundo quadrimestre

Foto: SCS/CMC

A Câmara de Cubatão promoveu hoje (17/10), Audiência Pública para apresentação dos dados financeiros do município relativos aos meses de maio, junho, julho e agosto de 2018 em cumprimento ao artigo 9º, parágrafo 4º da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A prestação de contas foi conduzida pelo vereador Toninho Vieira (PSDB), presidente da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento, e contou com a presença de Genaldo Antonio, secretário de finanças, Douglas Lisboa Nogueira, chefe da divisão de contabilidade da Câmara de Cubatão, além dos vereadores Ivan Hildebrando (PSB) e Marcinho (PSB).

A receita bruta aprovada foi de R$ 989.161.523,00, tendo arrecadado até 31 de agosto referente ao último quadrimestre o montante de R$ 649.617.699,60, feito a dedução da Fundação de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do ensino. A receita líquida arrecadada foi de R$ 588.812.879,48.

Deste orçamento que foi aprovado, foi apresentado R$ 788.831.523,00 de despesas com município, R$ 44.739.000,00 provindas de transferências da Câmara, R$ 18.000.000,00 de despesas CMT, R$ 48,070. 000, 00 com o Fundo de Previdência (FUNPREV), além de deduções de R$ 89.521.000,00, totalizando o orçamento que havia sido apontado de R$ 989.161.523.00.

A despesa orçamentária empenhada atingiu R$ 523.032.663,19, procedeu-se a quitação da importância de R$ 399.106.177,28. Remanescendo saldo para pagamento o valor de R$ 123.926.485,91. Os precatórios em valores contábeis era de R$ 409.373.970,71, no início de 2018, sendo pago no segundo quadrimestre R$ 21.645.721,18.

Em relação às receitas e despesas do ensino, onde o montante era de R$ 491.577.231,47 a aplicação ficou no ensino ficou em 36,65%, equivalente a R$ 180.178.127,90 gastos na área, no 2º quadrimestre deste ano. Já na área de saúde, cujo o montante era o mesmo da educação, entretanto a aplicação ficou em 18,78% equivalente a R$ 92.329.730.77 gastos.

O vereador Toninho pediu explicações ao secretário de finanças a respeito da folha de pagamento, indagando-o se é legal considerar o Fundeb nos gastos com pessoal. Genaldo respondeu que “existe um percentual mínimo que deve ser utilizado como despesa pessoal para os professores, como está no regulamento”.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.