Parlamentares cobram retorno de cirurgias eletivas no Hospital Municipal

por Michel Carvalho publicado 31/05/2021 21h43, última modificação 31/05/2021 21h43
Parlamentares cobram retorno de cirurgias eletivas no Hospital Municipal

Foto: Rodrigo Palassi

A Câmara Municipal de Cubatão realizou hoje (31/05) a Audiência Pública da Saúde referente ao primeiro quadrimestre de 2021, em obediência a Lei Complementar N° 141, de 13 de janeiro de 2012. A prestação de contas foi conduzida pelo presidente da Comissão Permanente de Saúde, o vereador Rony do Bar (PSD). Durante a audiência, Marcio Luiz Amorim de Oliveira, chefe da Divisão de Assistência Farmacêutica da Secretária Municipal de Saúde, representou a gestora da pasta, Eliane Taniolo, que se encontra licenciada, e respondeu os questionamentos dos vereadores e dos representantes do Conselho Municipal de Saúde a respeito dos serviços prestados pela pasta nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril deste ano. Os gestores da Fundação São Francisco Xavier (FSFX), administradora do Hospital Municipal de Cubatão, também participaram da prestação de contas.

Entre os problemas discutidos durante a Audiência Pública, um dos principais foi sobre a redução no número de cirurgias eletivas realizadas no Hospital Municipal de Cubatão. Segundo Carla Katia da Silva Honório, chefe da Divisão de Regulação, Avaliação, Controladoria e Auditoria, a diminuição desses atendimentos se deve à recomendação do Comitê Estratégico Municipal da Covid-19. De acordo com a servidora, é preciso priorizar nesse momento pandêmico as cirurgias de urgência, levando em conta o quadro clínico dos pacientes, verificando se eles podem ou não aguardar o procedimento cirúrgico.

Os vereadores também questionaram o fato de que o complexo de saúde, ligado ao Hospital de Cubatão, não estaria realizando os serviços para os quais foi criado. Os parlamentares lembram que em outubro de 2017 aprovaram um projeto de lei que autorizava o Executivo Municipal a fazer a concessão do imóvel que abrigava o antigo teatro para compor o complexo em questão. Pela legislação aprovada, a instituição responsável pela gestão da unidade hospitalar ofereceria os serviços de oncologia, medicina hiperbárica e hemodiálise à comunidade cubatense.

A diretora técnica do Hospital Municipal de Cubatão, a médica Ana Rosa dos Santos, comentou que neste momento de pandemia, com a sobrecarga do sistema hospitalar, os serviços que seriam oferecidos no complexo de saúde estão suspensos. Ela explicou que a câmara hiperbárica, por exemplo, exige grande quantidade de oxigênio, o que agora deve ser reservada ao atendimento dos pacientes com Covid-19. Os parlamentares questionaram a notícia de que o complexo estar realizando outros tipos de procedimentos, não previstos no contrato firmado com a Prefeitura. Os vereadores ainda criticaram o fato de que o Hospital de Cubatão continua realizando as cirurgias eletivas pelo convênio.

Sobre o crescimento de casos de dengue de chikungunya na cidade, os representantes do Executivo Municipal garantiram que a administração conta com agentes de endemias trabalhando no combate ao mosquito aedes aegypti. Os vereadores cobraram a aplicação do “fumacê” nos bairros para reduzir a proliferação de criadouros do mosquito da dengue. Além disso, chamaram a atenção para a necessidade de aumentar o número de agentes nas ruas.

Os parlamentares cobraram uma força-tarefa para agilizar a vacinação contra a Covid-19 na cidade, de modo que a aplicação das doses também ocorra nos finais de semana e nos feriados.

Participaram da prestação de contas os vereadores Tinho (Republicanos), Alessandro Oliveira (PL), Jaque Barbosa (PSD), Rafael Tucla (Progressistas), Allan Matias (PSD), Cesar Nascimento (PSDB), Sergio Calçados (PSB) e Guilherme do Salão (PROS).
Para acessar a íntegra da prestação de contas da Secretaria Municipal de Saúde, referente ao 1º Quadrimestre de 2021, entregue à Comissão Permanente de Saúde da Câmara, acesse: https://bityli.com/m0equ